< Voltar

Animais e o veganismo: o que devemos saber

Apesar de estar muito em evidência, o movimento vegano foi criado em 1944, na Inglaterra, por Donald Watson. Os adeptos do veganismo não consomem nenhuma alimentação de origem animal (carnes, ovos, leite, mel) e condenam o consumo de roupas, sapatos, joias, produtos de higiene e limpeza com ingredientes de origem animal. No Brasil, estima-se que 7,6 milhões de pessoas sejam veganas.*

Desde os anos 60 os adeptos dessa dieta também a levaram para cães e gatos, pois diminui os riscos de catarata, doenças crônicas, protege contra diabetes e doenças da tireoide, além de reduzir o risco de doenças cardíacas e câncer. Os entusiastas usam o exemplo de Bramble, um cão Merle Collie azul, do Reino Unido que viveu 27 anos comendo arroz, lentilhas e vegetais orgânicos. Esse comportamento tem crescido consideravelmente entre os tutores nos dias de hoje.

Um fator a ser ressaltado é que a opção de ser vegano é do tutor, e é comum que animais de estimação às vezes compartilhem o mesmo alimento que os tutores, sendo assim, acabam comendo alimentos como vegetais e frutas.

Mas será que o organismo desses animais se adapta ao veganismo?
Antes de mudar essa alimentação, é importante consultar o veterinário, ou o nutrólogo animal, pois esses profissionais conhecem bem o organismo animal e acompanham o desenvolvimento do pet. Para introduzir uma alimentação vegana, é importante levar em conta as características dos animais.

Os gatos são carnívoros e os cachorros onívoros. Desta forma, a dieta vegana não é indicada para gatos, no entanto, os cães podem se adaptar a uma dieta vegetariana balanceada. Precisamos ter um cuidado ao definir uma dieta específica para eles, pois deve-se levar em consideração a qualidade dos nutrientes do alimento que serão servidos, uma vez que a carne é rica em proteínas e a mudança brusca pode fazer o animal entrar em catabolismo, com o organismo degradando os próprios músculos para compensar a ausência do nutriente.

Com isto, o tutor que optar pela dieta vegana deve se orientar com o profissional veterinário para fazer a suplementação de alguns nutrientes que são encontrados exclusivamente em fontes proteicas animal, como a vitamina B12, que previne a anemia.

Alguns tutores optam pela introdução da dieta vegana para animais que apresentam quadros de alergia alimentar, pensando que a restrição da proteína animal faz com que o animal melhore o quadro alérgico, o que não é verdade, uma vez que as moléculas presentes em alimentos como batata, banana, maçã e arroz, por exemplo, também podem ser responsáveis por desencadear alergias.

Sempre de olho no que há de novidade e inovação na manipulação veterinária, e diante do cenário atual, nós da Animalia Farma desenvolvemos uma fórmula de biscoitos veganos para justamente tratar animais que se dão melhor com produtos 100% naturais ou que são cuidados por tutores veganos.

Nossos biscoitos veganos são livres de proteína animal, sendo manipulados com ingredientes naturais, sendo a fonte protéica 100 % vegetal. Isto faz com que os biscoitos veganos da Animalia Farma seja uma alternativa para animais que possuem uma dieta restritiva, como uma intolerância à produtos de origem animal ou que o seu tutor queira fazer um acompanhamento mais baseado em alimentos naturais, como legumes e vegetais.

Além da responsabilidade com a saúde animal, nossos biscoitos veganos não quebram, nem esfarelam ao serem partidos ao meio, evitando perda de ativos além de serem manipulados em vários sabores, tendo um com certeza no sabor que o seu pet mais gosta.

Já experimentou a nossa novidade? Corre para uma unidade mais próxima e peça o seu.

* Fonte: Eu sem Fronteiras

 

Compartilhar

Veja Também